O Conservadorismo das Aparências.

Estadofobia

Por Leo Nerys

retrovisor

A maioria das pessoas já viveu o bastante para ouvir coisas como “No meu tempo as coisas eram diferentes (melhores)” “Estão destruindo os velhos valores” “Não se faz mais (…) como antigamente”. Todas estes padrões de pensamento têm raiz numa tendência a idealizar o passado como um meio de fugir dos problemas do presente. A maioria saudosistas não viveu na época a que se refere com saudades. Os homens eram viris e cavalheiros. As mulheres, donzelas puras. As crianças respeitavam seus pais incondicionalmente e seus pais tinham igual zelo por elas. A natureza era respeitada. Promessa era dívida! Havia amor à pátria. Não havia uso de drogas, nem promiscuidade sexual, e as pessoas eram fiéis a uma concepção religiosa que mantinha os padrões morais. Daí veio uma tal de modernidade [a televisão, a subversão cultural, o ateísmo, o individualismo, a pornografia, o politicamente correto, o homossexualismo, a…

Ver o post original 507 mais palavras

Um bichinho chamado fim de férias

A gente espera meses por ela, sobrevive a cada dia motivado pela esperança de que um dia ela vai chegar. Aí ela chega, marca sua vida e vai embora sem nem te dar a chance de pedir que fique por mais uns dias.

Sim, estou falando dela: AS FÉRIAS.

Eu sempre fico perdida no começo das férias, prometo que vou fazer mil coisas, nunca sei por onde começo e no final acabo voltando pra faculdade com um “puts, eu devia ter aproveitado mais”. Então esse semestre eu decidi não fazer planos, deixei simplesmente a vida me levar vida leva eu e acabei não fazendo nada. De novo.

Só que isso não acontece só nas férias, quem nunca fez mil promessas no começo do ano, prometeu estudar mais, voltar pra academia, ler aquele livro, emagrecer, e acabou terminando o ano da mesma forma que começou? Ah vai, eu sei que não é só comigo. Começa pela faculdade, no meu curso a gente chega ao primeiro semestre querendo mudar o mundo, fazer justiça, ser Juiz, promotor, ministro do STF… Então vão passando os semestres e tudo que a gente passa a querer é sobreviver até o final do curso. Continuar lendo

Larga o celular e vai ser feliz!

Sempre fui apaixonada por tecnologia. Meu primeiro celular [que descanse em paz] foi aos 11 anos de idade, época em que ostentar era ter uma capinha personalizada no Nokia 2280 (aquele azulzinho que tinha o jogo da cobrinha). Era uma paixão que só estava no começo, de lá pra cá eu tive nada menos que 11 (ONZE!) modelos diferentes de celular, o que equivale a mais ou menos um aparelho por ano.

Sempre achei o máximo as inovações e a rapidez com que sempre surgiam, cada uma era motivo pra eu querer um aparelho novo. Minha última paixão foi a câmera frontal, eu tinha um Android antiguinho, que até gostava, mas a ideia de tirar “selfies” (que na época ainda não tinha esse nome) me ganhou fácil, e assim parti para o meu 11º modelo. Mas deixa eu destacar que é só uma paixão por inovações, não um fanatismo por ostentar tecnologia. Não tenho coragem de gastar pequenas fortunas só pra ter um aparelho melhor que o do coleguinha, até porque não nasci rica, não vou casar com um rico e a profissão que escolhi não vai me fazer rica (por que não me apaixonei por engenharia?), então tenho que me enquadrar no meu minúsculo orçamento. De que adianta ter um Iphone 5s, mas ter o nome no Serasa porque não conseguiu pagar todas as 48 parcelas? Então fica a dica, meu bem. [aliás, já viram essa notícia?]

Todo mundo tem um celular. Alguns até dois, ou três. E quando eu digo todo mundo, é tipo, TODO MUNDO. Até o mendigo da esquina se duvidar tem (#partiu #calçada #pedirmoedinha #tóiss). E quase todo mundo tem Whatsapp. Se você não tem, sinto dizer, mas… SORTE SUA! Claro que é ótimo poder conversar pelo celular com seus amigos, mandar fotos, vídeos, pornografia, áudios, sem gastar nada a mais por isso, mas daí trocar a interação “tête à tête” por isso? EPA! Peraeeee! Continuar lendo

Meu Pai me ensinou a ser macho.

Li no EstadoFobia e achei sensacional.

Estadofobia

thiago-silva-chorando

Eu chorei como uma criança quando perdi meu pai em setembro do ano maldito de 2013… ou melhor: chorei como macho… um choro dolorido, profundo. Uma dor inexplicável por perder meu herói.

Depois da morte do meu Pai, confesso que fiquei mais “frio” com relação a certas dores da vida. Talvez por isso, ao ver a seleção brasileira de hoje, me dê uma tremenda vergonha alheia.

Nunca fui um brasileiro orgulhoso. Sempre tive nojo de ufanistas do atraso, de coletivistas e gente que entende que atletas nacionais são heróis da pátria. Como se tivéssemos uma pátria…

216214Ora, heróis da pátria, no meu humilde entendimento, são os pracinhas brasileiros que lutaram a 2ª guerra mundial. Heróis da pátria, foram os paulistas da revolução de 1932, essa sim uma revolução , não essa patifaria exaltada pela esquerda que idolatra assassinos como Marighela e Che Guevara. Herói, foi Tiradentes, que, segundo conta a…

Ver o post original 399 mais palavras

Teve Copa, sim!

Eeeeeeeee FELIZ 2014!!!

Sim, estamos em julho, eu sei, mas agora sim, o ano finalmente começou: acabou Carnaval, acabou feriado, acabou Copa, acabou a água de São Paulo, acabou tudo. Tivemos o semestre mais curto da história, foram 4 feriados prolongados, mais os feriados da Copa e os dias que saímos mais cedo do trabalho por causa dos jogos do Brasil. Aí pra compensar tudo isso, no próximo semestre seremos presenteados com nada menos que 4 feriados (leia-se TODOS OS PRÓXIMOS FERIADOS DO ANO) que cairão em fins de semana. Valeu ae! ¬¬’

Agora eu queria mandar um beijo especial pra galera que gritou pra meio mundo que não ia ter Copa, espalhou cartazes, compartilhou no Facebook, enfim…

  Continuar lendo

Adeus, Orkut!

No último dia 30 o Google anunciou que o Orkut dará adeus ao mundo virtual no dia 30 de setembro desse ano. Fiquei triste, de verdade, apesar de fazer uns três anos que excluí meu perfil lá.

O Orkut é tipo aquele tio-avô que você mal se lembra dele, não tem contato há um tempão, até que ele morre. Aí você desperta memórias relacionadas a ele que mal sabia que existiam, vai ao velório pensando o quanto devia tê-lo visitado enquanto ainda era vivo, corre trocar a foto de perfil por aquela de “LUTO”, enfim… Pobre Orkut!

Continuar lendo